Empréstimo poderá ser solicitado por micro e pequenas empresas nos setores de turismo, bares, restaurantes, eventos, educação e transportes

Ao redor do mundo, governos tiveram dificuldades em fazer recursos emergenciais ligados à COVID-19 chegarem às pequenas empresas. Instituições financeiras tradicionais esbarraram nos limites operacionais ao se depararem com a velocidade necessária para fazer os recursos chegarem rapidamente ao seu destino.

Quando se trata de recursos emergenciais para empresas, existem importantes diferenças dos processos de recursos emergenciais para pessoas físicas. Enquanto na ajuda às pessoas físicas,  há necessidade apenas de verificar o CPF e a situação de emprego, nas empresas é preciso realizar uma série de verificações mais detalhados  para apurar a situação da empresa em termos de licenças, cadastro, regularidade com impostos e viabilidade dos negócios, entre outros.

Bancos de desenvolvimento e outras instituições financeiras de pequeno porte têm um limite em termos de poder de processamento de solicitações de empréstimo no caso de linhas de crédito subsidiadas pelos governos. Os processos tradicionalmente são processados por equipes de analistas que manualmente buscam e analisam informações e certidões, muitas vezes fazendo com que os recursos emergenciais cheguem muitas vezes tarde demais.

O governo americano utilizou fintechs como Kabbage Inc e Opportunity Fund para alcançar o pequeno empresário de forma rápida e digital. No Brasil, em agosto de 2020,  o BNDES esboçou um programa parecido, onde originalmente planejava canalizar R$ 4 bi para os pequenos negócios mediante fintechs e adquirente de cartão. Como em outras ocasiões,  o plano esbarrou na burocracia e os recursos parcialmente ainda não chegaram no seu destino até hoje.

Porém, ainda há esperança. Um projeto de crédito emergencial para pequenas empresas, anunciado na segunda-feira passada, dia 26/7, pelo governo estadual de Santa Catarina, por meio do seu Banco Estadual de Desenvolvimento, BADESC, encontrara uma solução que funcionou. O BADESC fez uma parceria com a Fintech especializada em crédito para micro e pequenas empresas,  GYRA+, que, por meio de algoritmos de inteligência artificial, consegue processar milhares de solicitações por dia. 

Para solicitar o empréstimo que tem carência de 12 meses e juros subsidiados pelo governo catarinense, as pequenas empresas acessam o portal do BADESC para solicitar os empréstimos e são direcionados para cadastro na GYRA+que, por sua vez,  conduz toda análise necessária para aprovação do crédito e assinatura das CCBs (Cédula de Crédito Bancário), possibilitando que o banco desembolse os recursos em poucos dias. A expectativa é que os primeiros empréstimos já sejam liberados nos próximos dias.

Após o sucesso deste programa, fica a lição de como proceder em situações que requerem velocidade. O caminho está aberto para que outros recursos emergenciais cheguem com mais velocidade às pequenas empresas.