Parceria entre Qualicorp e Instituto Liberta em prol do enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes busca levar proteção para dentro e fora da sala de aula

Para colaborar com a segurança dos alunos e dos profissionais de educação da rede estadual de ensino de São Paulo, a Qualicorp – administradora de planos de saúde coletivos – doou recursos para a confecção de 100 mil máscaras pelo Instituto Liberta. A entidade tem como missão o enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes no Brasil.

Na última quinta-feira (3), foram entregues 115,7 mil máscaras à Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, que serão distribuídas futuramente a professores e alunos da rede estadual de ensino. Os itens de proteção são estampados com a #nãosecale, campanha que estampa nas máscaras a mensagem de apoio às denúncias de exploração. 

Para o secretário da Educação de São Paulo, Rossieli Soares, “o uso desta máscara tem duas medidas protetivas: para prevenir o coronavírus e também a exploração sexual”.

“Essa é uma ação de extrema importância que, além de proteger o aluno contra o coronavírus, também ajudará na conscientização da população no combate à exploração e ao abuso sexual de crianças e adolescentes”, comenta Pablo Meneses, vice-presidente de Operações e Relacionamento da Qualicorp.

Segundo Luciana Temer, presidente do Instituto Liberta, “o objetivo com essa campanha não é apenas distribuir máscaras, mas também engajar as pessoas com uma causa urgente no Brasil que é a violência sexual contra crianças e adolescentes”.

A ação também tem o apoio das empresas Yuny e Plié. O disque 100 é o canal oficial para denunciar qualquer tipo de exploração e abuso sexual infantil.