Grupo segurador suíço apoia nova etapa de restauração para aumentar biodiversidade da floresta Atlântica plantada na RPPN Fazenda Bulcão, no Vale do Rio Doce

Foram mais de 20 anos de trabalho intenso para recobrir com o verde da Mata Atlântica uma antiga fazenda de gado, localizada no interior de Minas Gerais, e que estava completamente degradada, com solo e fontes de água exauridos, após anos de exploração pela pecuária extensiva. Com o apoio da Zurich, o Instituto Terra agora avança no desafio de promover o aumento da biodiversidade dessa floresta plantada na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Fazenda Bulcão, sua sede em Aimorés, na região do Vale do Rio Doce. 

Nesta nova etapa serão plantadas 1 milhão de mudas de 120 espécies nativas da Mata Atlântica. O trabalho envolve desde a coleta de sementes até a produção das mudas no viveiro do Instituto Terra, além dos plantios e a necessária manutenção para o pleno estabelecimento das plantas no solo.

As 100 mil mudas iniciais devem ser plantadas já nas próximas estações chuvosas até 2021.  As etapas seguintes contempladas pela parceria com a Zurich serão realizadas até 2027. 

De maneira simbólica, os novos plantios registraram uma árvore para cada um dos 55.000 funcionários da Zurich globalmente, com o restante disponível para outras iniciativas da seguradora ainda não reveladas/definidas.

A Zurich anunciou que entende que o reflorestamento, por ser um excelente meio de combate às mudanças climáticas, deve ocorrer de uma forma direcionada e responsável para garantir a biodiversidade, protegendo a variedade de vida selvagem e as comunidades locais. A escolha pela parceria com o Instituto Terra aconteceu especificamente para ajudar a reconstruir uma área essencial à biodiversidade, além de promover a conscientização sobre a situação daquilo que é conhecido como “a outra floresta tropical brasileira”, a Mata Atlântica.

“A decisão dos fundadores do Instituto Terra, Lélia Wanick e Sebastião Salgado, de refazer a floresta nativa, recompor a biodiversidade de plantas e animais, proteger os solos e favorecer a manutenção de nascentes, riachos e ribeirões, foi uma ação visionária e revolucionária, numa região, país e continente assolados pelo contínuo desmatamento, o uso intensivo e insustentável das terras abertas, que as levam à degradação, ao posterior abandono e ao consequente êxodo rural”, explica Isabella Salton, diretora Executiva do Instituto Terra.

Salton lembra que a reconstrução da floresta na antiga fazenda Bulcão apontou para soluções baseadas na natureza, hoje um princípio fundamental preconizado para o combate ao aquecimento global, a reversão da crise de perda da biodiversidade, a adaptação às mudanças climáticas em curso, e para o desenvolvimento de um uso sustentável e consciente das paisagens rurais.

Os novos plantios vão ajudar a enriquecer a floresta que já conta com cerca de 3 milhões de árvores plantadas em aproximadamente 700 hectares da RPPN Fazenda Bulcão, uma área que equivale ao tamanho de cerca de 850 campos de futebol de tamanho oficial. É um importante passo adicional ao projeto de reflorestamento em curso, que num primeiro momento objetivou a proteção do solo, a melhoria das condições edáficas e a disponibilidade de alimento à fauna – o que também contribui para a regeneração da floresta, aumentando a polinização e dispersando sementes.

O apoio da seguradora Zurich vai justamente ajudar a ampliar o processo de restauração de aspectos e características originais do bioma Mata Atlântica. Os plantios previstos objetivam aumentar a presença de espécies arbóreas atrativas da fauna, o que também deve levar ao aumento da deposição de sementes trazidas de florestas remanescentes vizinhas, gradualmente levando a um progressivo aumento da biodiversidade florestal local. Os novos plantios devem ainda introduzir espécies arbóreas que décadas mais à frente permitirão que o ecossistema florestal em recuperação seja capaz de indefinidamente se autoperpetuar.

A Zurich tem a ambição de ser uma das empresas mais responsáveis e de maior impacto socioambiental do mundo, o que torna coerente o apoio à iniciativa do Instituto Terra. “Temos um compromisso global e uma clara missão em todos os aspectos da sustentabilidade. O Grupo ocupa hoje o topo do Índice Dow Jones de Sustentabilidade, resultado do seu esforço e o papel ativo na transição para uma economia mais sustentável. Além disso, é parceiro do Fórum Econômico Mundial na produção do único Relatório de Riscos Globais do mundo que orienta as lideranças mundiais sobre decisões importantes, em todos os aspectos, sobretudo ambiental, que impactam diretamente no desenvolvimento social e econômico”, comenta o Diretor Executivo de Estratégia, Marketing e Inovação da Zurich no Brasil, Rodrigo Barros.

De acordo com Rodrigo, como o Instituto Terra também apoia as comunidades locais por meio de diversos projetos educacionais e de preservação da água, a Zurich entende que o seu apoio colaborará para a melhora direta da qualidade de vida das comunidades, e indiretamente de outras pessoas que de alguma forma vão se beneficiar da iniciativa. “O plantio das árvores ajuda, indiretamente, a todo o planeta. Isto vai ao encontro do propósito da Zurich: o de zerar as emissões de carbono até 2050, razão pela qual o Grupo passou a integrar a Net-Zero Asset Owner Alliance, da Organização das Nações Unidas (ONU)”, finaliza.

Sobre o Instituto Terra

Fundado em 1998 por Lélia Deluiz Wanick e Sebastião Salgado, o Instituto Terra é uma associação civil, sem fins lucrativos, que promove há 22 anos a recuperação da Mata Atlântica e das fontes de água na área da Bacia Hidrográfica do Rio Doce. Atua por meio da restauração ecossistêmica, produção de mudas nativas, extensão ambiental, pesquisa científica aplicada e educação ambiental, em municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. Sua sede se localiza na Fazenda Bulcão, em Aimorés (MG), área reconhecida como Reserva de Patrimônio Natural (RPPN). www.institutoterra.org