A expectativa é que, a partir de setembro, o mercado segurador já sinta os reflexos da mudança de comportamento das empresas e a contratação deste tipo de seguro cresça até 30%.

A pandemia do novo coronavírus trouxe mudanças significativas à rotina das empresas em todos os setores econômicos. Com o isolamento social, foi preciso se reinventar e o home-office foi uma das saídas. Passado o susto da necessidade de rápida adaptação, 80% dos empresários brasileiros já afirmam gostar do formato, de acordo com a ISE Business School; cerca de 85% dos executivos veem mais benefícios do que prejuízos no modelo; e 73,8% das empresas pretendem manter o sistema, aponta pesquisa da Cushman & Wakefield. Para o especialista em subscrição patrimonial, Thales Lemos, este é o novo público-alvo do mercado segurador: profissionais que utilizarão a residência como escritório e, consequentemente, buscarão proteção em seguros residenciais com cobertura para equipamentos e ferramentas do trabalho remoto.

“A expectativa é que, a partir de setembro, o mercado segurador já sinta os reflexos das mudanças que vêm sendo anunciadas pelas empresas, aumente a procura e a contratação de seguros residenciais cresça até 30%”, afirma Lemos. E completa: “As seguradoras estão, neste momento, avaliando as mudanças necessárias nos seus produtos e se adequando melhor às novas necessidades do profissional que permanecerá alocado em casa no pós-pandemia. É preciso estar pronto para atender essa demanda”, explica. 

O ‘novo normal’ das companhias e o desejo de segurança são uma grata oportunidade de expansão da modalidade, já que os seguros para residências ainda não têm a preferência dos clientes. Dados da Federação Nacional de Seguros – Fenseg apontam que, hoje, apenas 13,3% de um total de 68 milhões de domicílios estão segurados. Para Lemos, o índice é reflexo da falta de cultura de investimento em seguros por parte dos brasileiros. O País está muito aquém de outros desenvolvidos quando se trata da representatividade do mercado segurador em relação ao PIB.   

Lemos, que também é gerente de Subscrição da Sancor Seguros, diz que a companhia espera um incremento de 30% nas vendas a partir de setembro e mais 25% de crescimento no portfólio de produtos Patrimoniais para 2020. Ele lembra ainda que, o grande desafio é educar e conscientizar o consumidor da necessidade e importância de se ter a apólice residencial, especialmente agora que ele e a família passam mais tempo em casa. 

“Na Sancor, por exemplo, as apólices além de assegurar os itens do home-office, dão cobertura para incêndio, danos em equipamentos elétricos e eletrônicos em caso de queda de raio ou oscilação de tensão na rede, vendavais e roubo de bens. Outra vantagem que a empresa oferece é o conjunto de 57 serviços de assistências, que incluem eletricista, chaveiro, encanador, conserto de eletrodomésticos com troca de peças, limpeza de caixa d’água, caçamba para entulhos e até mesmo dedetização”, conclui Lemos. 

conteúdo|empresarial